[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub


Crenças Sobrenaturais Saloias

 

Dr. Vitor Manuel Adrião (*)

SUPERSTIÇÕES E CRENÇAS

Aime – Qualidade que uma pessoa tem de interrogar os espíritos.
Aperseguir – Acção de atormentar, por parte dos maus espíritos.
Bruxa – Mulher que faz pactos com o demónio e realiza sortilégios malfazejos.
Búltemo – Suposta aparição de silhueta imprecisa, fantasmagórica, que se atribui a artes mágicas, aparecendo de noite.
Cubrante – Resultado mórbido produzido pelo mau-olhado.
Curadêra – Curandeira, mulher a que o povo atribui supostos poderes para curar certas doenças.
Espirtos – Entes imaginados e malignos que vêm habitar o coração das pessoas.
Estoiro – Estampido forte provocado pelos lobisomens.
Fadoiro – Encanto que uma pessoa possui dado por um poder sobrenatural.
Feitecêra – Feiticeira, mulher possuidora de artes maléficas.
Figa – Acto de fechar a mão, metendo o dedo polegar entre o indicador e o médio; emprega-se para afugentar os maus espíritos.
Hora mortal – Hora tardia da noite em que aparecem os vultos fantasmagóricos e os lobisomens.
Incruzilhada – Cruzamento de caminhos, onde as bruxas e os lobisomens costumam passar.
Labisome – Homem que se transforma em animal para cumprir um fadoiro.
Labisongo – O mesmo que labisome.
Males – Bruxedos.
Mestero – Mistério, acontecimento estranho e inexplicável.
Mardomo – O mesmo que labisome.
Nonos – Diz-se de dias ímpares, julgados benfazejos e propícios à realização de certos trabalhos, tanto agrícolas, como medicinais e mesmo mágicos.
Pantasma – Fantasma, imagem ilusória de aspecto macabro; abantesma.
Penar – Cumprir um fadoiro.
Remorsos – Pressentimento.
Sumo – Desaparecimento atribuído supersticiosamente a causas fantásticas.
Terpel – Tropel, barulho intenso e medonho que se supõe provocado por entes sobrenaturais.

<<<Página anterior
 

(*) Professor e Investigador
vitoradriao@portugalis.com

Fonte
 

Textos do Dr. Vitor Manuel Adrião>>>

Outros Textos e Opiniões >>>

Pub

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster