[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub


Verdades que devem ser ditas

 

Lino Mendes (Portugal)


Estamos na época dos festejos locais e parece-me importante falar no assunto, e se deixamos bem claro que não nos referimos a ninguém em especial, é porque muitas são as situações que se enquadram no nosso lamento, que tem a ver com os “grupos de folclore” nas festas populares. Porque se até hoje e já em democracia, nenhum Governo conseguiu - ou não quis - (o que será
mais grave) encarar o folclore na sua devida dimensão e com o respeito a que o mesmo tem direito, também os respectivos grupos, nos sítios por onde passam, nem sempre são tratados com a devida consideração. Nomeadamente nas festas ditas populares, que de uma maneira geral merecem todo o apoio e com as quais os mesmos deviam coabitar.

Um som de qualidade e um palco em condições, é o mínimo que um grupo deve exigir, quando até não vai ganhar um tostão e por alimentação serve uma perna de frango. E um dos males talvez seja esse, o não ir ganhar um tostão, já que no nosso país se cultiva o princípio de que se é de graça não presta.

Um cantor famoso, que não é melhor nem pior do que um grupo de folclore, pois são coisas diferentes que ocupam espaços diferentes, para além de auferir alguns milhares de euros que nem estão em consonância com o país que somos, EXIGE um palco com determinadas dimensões e naturalmente coberto, é capaz de escolher as ementas das refeições, pedir umas tantas garrafas disto e daquilo, e o mais que considerar necessário. Quanto a um grupo de folclore, é diferente, e aqui as comissões de festas nem nisso terão pensado, não o farão por mal. São os próprios grupos que ainda não lhe fizeram sentir que também têm dignidade e que para tudo há regras.

Já viram por exemplo o que é estar a actuar, começar a chover e não poder ocupar, logo a li ao lado, um palco coberto porque está destinado ao artista fulano de tal? Já pensaram o que é os balhadores terem que se descalçar por que o piso é escorregadio e depois encherem os pés de lascas ou de buracos de pregos? Ou chegar a uma cidade(!) e encontrar um palco com um poste no meio? Eu sei que a não autonomia económica cria uma dependência que constitui uma barreira enorme, o que já por uma ou duas vezes ,reconheçamos, nos levou a cometer também estes absurdos que estamos a condenar.

Mas aqui, e de qualquer modo somos nós, “grupos de folclore”, que temos a culpa ao não saber dizer NÃO na altura devida. Certo que no meio de tudo isto ainda se luta contra a intromissão de alguns pseudo-grupos, que até vendem a alma ao diabo para aparecerem em determinados sítios, que se necessário for se transportam ainda em camionetas de carga.

»» Ler mais "Textos de Opiniões" de Lino Mendes

Pub

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster