[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub


Etnografia e Folclore
Um Povo sem "Memória" não existe

Lino Mendes (Portugal)

Quando a todo o momento, e por  força do desejado  progresso, somos confrontados com padrões universais, nunca como hoje tão importante foi a  defesa da nossa identidade cultural. O que necessariamente passa pelo respeito das  nossas tradições, pelos usos e costumes daqueles que nos antecederam. E aqui, temos um relevante papel a desenvolver pelos grupos de folclore.

É preciso que no dia a dia, este país que é o nosso, vá sem construído em português. O que não significa o erguer de barreiras, a delimitação de fronteiras para além das “culturais”, porque é nas diferenças que o convívio entre os povos se consolida, e na  identidade  se reforça a evolução natural das coisas.

É a maneira de ser e de estar de um povo que o define. E, se quando hoje se pretende definir o que é um homem culto, várias interrogações se nos colocam, uma certeza de imediato se perfila - de nada importa a soma de conhecimentos se ignorarmos a identidade do meio em que nos inserimos.

E é esta verdade, que sem manipulações deve estar presente a partir dos bancos da Escola, que a criança só pode amar aquilo que não desconhece. E que se o desenvolvimento só coabita com uma  população culturalmente  evoluída, esta não assenta no desconhecimento das raízes que nos definem, no ignorar da memória do povo que somos.

Preservar, de modo algum significa  parar no tempo, antes garantir um ponto de referência  que não podemos deixar perder-se. E se recordar é viver, importa que HOJE se conheça o ONTEM para com mais consistência se construir o AMANHÃ. Não é, de modo algum, um indesejado saudosismo, mas os caboucos de uma existência firme na certeza da que um povo sem “memória” não existe.

Entretanto, o que são  a “etnografia” e o “folclore”, o que é a nossa “cultura tradicional”? O que deve ser, afinal, um “Grupo de Folclore”?

Sobre o assunto iremos “conversando” em artigos futuros. 

 
»» Ler mais "Textos de Opiniões" de Lino Mendes

Pub

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster