[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub


CONVERSAS PARA UMA CULTURA DAS TRADIÇÕES ( III )

Lino Mendes (Portugal)

Como saber, então, por exemplo num festival, qual é  o melhor grupo de Folclore?

Como deve ser feita essa avaliação?

Não há, nem pode haver “classificações” em folclore, dado que não se pode comparar o que não tem comparação possível. De região para região e mesmo de terra para terra, o folclore é caracterizado pelas diferenças. Ou será, por exemplo, que pode haver comparação entre o “cante alentejano” e um “corridinho”? Haverá, naturalmente, os grupos que se vêem com mais agrado, mas isso não está em causa em termos de qualidade. Teremos, isso sim, que dividir os mesmos entre os que são ou querem ser representativos, e os que não o são e nem o querem ser, sendo que estes últimos usam abusivamente a designação de folclore. Têm, é certo, todo o direito de existir, até pela  “ocupação de tempos livres” que promovem, poderão até ser considerados como “grupo de danças e cantares” -  mas têm o seu espaço próprio.

Depois, onde existe um júri capaz de analisar na especificidades diversas regiões? Em lado algum do mundo, até porque essa será sempre uma missão impossível! Diversas Bandas Filarmónicas executando a mesma “partitura”, podem ser “classificadas”, mas em Folclore jamais. Aliás, mas isto é uma opinião meramente pessoal, não me agradam os “concursos em cultura”.

São por isso condenáveis os chamados “concursos de folclore”,por vezes até com prémios para”o trajo mais bonito”, a “ melhor coreografia”,e sei lá que mais. É que o folclore não se inventa, não expressa qualquer dose de criatividade. Recolhe-se, estuda-se, divulga-se, e preserva-se. Em apreciação, isso sim, está em jogo a honestidade do trabalho realizado, de maneira a que o grupo seja então o retrato possível da região que representam.

Há grupos que fazem uma pesquisa a nível concelhio ou mesmo distrital, com o que eu não concordo, em especial se nesse mesmo espaço geográfico existirem outros grupos. No caso de Montargil, com o qual eu trabalho há cerca de quarenta anos, a recolha, a representatividade tem apenas a ver com a respectiva freguesia.

Falando agora de “trajos” e porque o povo nunca se “fardou”, está completamente errado que um grupo vista todo por igual. É que se o mesmo deve ser o retrato possível de um povo, a diversidade deve ser considerada. Certo que não defendo mas também não contesto que alguns grupos façam a opção de determinados trajos - do que são exemplo os grupos do Minho, agora está errado que ao rodar a saia esta deixe ver as pernas, tenham ou não tenham saiotes ou colotes vestidos. Ou será que há cem anos isso seria possível?

O Folclore é também e necessariamente, espectáculo, mas sempre com base na “demonstração” da “tradição”.

 
»» Ler mais "Textos de Opiniões" de Lino Mendes

Pub

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster