[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub
Pub  
  A evolução do traje da mulher da Nazaré (1)

Carlos Gomes(*)

 

“O traje nazareno feminino não parou no tempo, nem se tornou uma peça museológica; pelo contrário, tem acompanhado as variações da moda – saias mais curtas ou mais compridas; novos tecidos, cores e padrões. É um traje que renasce cada ano, tornando a nazarena única entre as demais. – Esta afirmação surge no site da Câmara Municipal da Nazaré, procurando retratar a evolução do traje típico das suas gentes.

"Sete Saias" - Trajes de Mulher da Nazaré - PortugalEsta realidade coloca-nos algumas questões que merecem a reflexão adequada numa perspectiva etnográfica e a procura de respostas que não se condicionem aos dogmas estabelecidos no domínio do folclore. Antes de mais, convém compreender que as gentes da Nazaré continuam a exibir no seu quotidiano a forma de vestuário que herdaram dos seus ancestrais, naturalmente com as adaptações ditadas pelas modas que sucederam ao longo do tempo. Este fenómeno a que não é alheio certamente a propaganda turística ocorrida em meados do século XX, não se reproduz na maior parte das regiões do país onde os costumes tradicionais cederam à padronização do vestuário e dos hábitos ditados por uma sociedade industrial e consumista.

A Nazaré resistiu. E a preservação dos seus costumes típicos e da sua gastronomia associados à beleza da sua paisagem tem constituído um factor de desenvolvimento económico da região e conseguido assegurar condições de vida dignas das suas gentes.

Tal como sucedia em todo o país e abrangia a mulher pertence a todas as classes sociais, também a mulher nazarena nos finais do século XIX vestia saias que a encobriam até aos pés. Acompanhando as modas e, naturalmente, influenciada pelos novos costumes dos banhistas e com algum sentido prático, foi aos poucos encurtando as saias e desvendando o seu vestuário mais íntimo. A propaganda turística encetada durante o Estado Novo viria a tornar emblemática as “sete saias” da Nazaré.

(*) Jornalista, Licenciado em História


Página seguinte >>>

Ver fotos >>>
 

Textos de Carlos Gomes - Index>>>

Outros Textos e Opiniões >>>


Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster