[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub


Óculos são último "grito da moda" no folclore

 

Carlos Gomes(*)

Os óculos coloridos e rectangulares constituem o mais recente grito da moda em muitos ranchos folclóricos. E, o mais curioso, acompanham com qualquer traje feminino, seja ele do Minho ou do Algarve, da Beira Litoral ou do Ribatejo – é um acessório típico de todas as regiões do país…

Conforme os estilistas e a moda em voga a cada momento, ela mistura-se por vezes com a representação tradicional em alegados ranchos folclóricos. Tempos houve em que a moda revelou-se nas unhas pintadas, pestanas postiças, penteados de franja, sapatos envernizados e até na minissaia que fez furor nos anos sessenta. Entretanto, surgiram os chapéus à toureira no Alto Minho e os coletes decorados com botões brancos, os sapatinhos de pala e a sola vulcanizada. E embora a minissaia tenha de alguma forma passado de moda, alguns ranchos ditos folclóricos sempre arranjaram uma maneira de preservar uma pontinha de erotismo na dança folclórica, fazendo as saias das moças rodar até ao umbigo tal como outrora as suas avós o faziam na sua juventude.

O folclore é assim mesmo: dinâmico, moderno, avant-garde! Ele jamais se cristalizou. Antes pelo contrário, acompanha as novas tendências da moda, adopta novos estilos, adquire novos materiais. O lenço que outrora usava ao ombro, a mulher coloca-o agora à cintura como se de um avental se tratasse. E o homem que já não usa lenço para limpar o fungo do rapé passou a atá-lo ao pescoço!

Surgem, por vezes, uns sujeitos a clamar pela autenticidade no folclore. Por muito que insistam tais “velhos do Restelo”, as suas observações resvalam sempre na indiferença dos entendidos que dirigem muitos grupos folclóricos. Trata-se de indivíduos que vivem com um século de atraso cuja mentalidade antiquada os impede de compreenderem a evolução do folclore. De resto, se o collant feminino ainda não foi adoptado pelas dançarinas dos ranchos foi porque os respectivos directores ainda não se puseram de acordo em relação ao modelo a adoptar, mas já vai sendo tempo de substituir os antigos saiotes pelo moderno e atraente fio dental!

(*) Jornalista, Licenciado em História

Os óculos são o último grito da moda em muitos ranchos ditos folclóricos.

“…já vai sendo tempo de substituir os antigos saiotes pelo moderno e atraente fio dental!”
 

Textos de Carlos Gomes - Index>>>

Outros Textos e Opiniões >>>

Pub

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster