[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub

Pub
 

O Teatro no Folclore

 
 

Carlos Gomes (*)

 

Pela sua própria natureza, os ranchos folclóricos desempenham uma importante missão de salvaguarda dos mais variados registos que dizem respeito à nossa cultura tradicional. Não se inserindo já no domínio da etnografia de salvaguarda, eles cumprem a função de um museu vivo através do qual se procura preservar a memória e a identidade cultural do povo. Neste domínio, os grupos etnográficos, vulgo ranchos folclóricos, não devem limitar-se a serem meros grupos de danças e cantares envergando uma farpela colorida e atraente.

Atuando no domínio da etnografia, a ação dos grupos folclóricos não se confunde porém com a ação do etnólogo nem tão pouco do antropólogo. De resto, há muito tempo que o trabalho de recolha deixou de ser feito diretamente no terreno junto das pessoas mais idosas porque estas já não viveram a época que constitui o nosso objeto de estudo. As fontes de pesquisa passaram a centrar-se noutras fontes documentais, mormente nas peças de vestuário, na fotografia e na literatura, constituindo os arquivos e os museus da especialidade autênticos lugares de memória.

O estudo, porém, deve ser criterioso e não limitar-se a uma mera cópia do trabalho feito por grupos mais antigos por mais prestigiados que eles sejam. A análise dos costumes deve observar a evolução histórica dos costumes e das mentalidades, dos materiais e da própria sociedade. A exibição de botões e outros assessórios em plástico constitui um anacronismo quando se pretende representar um traje dos finais do século XIX uma vez que se trata de um material que apenas surgiu em meados do século XX. Da mesma forma que não fará o menor sentido uma peça de vestuário cujo corte não permitia cumprir a função para a qual foi criada porque entretanto alguém resolveu introduzir-lhe um efeito decorativo.

Os ranchos folclóricos destinam-se também a proporcionar um espetáculo a quem assiste à sua atuação, constituindo esta uma das suas principais vertentes. Mas, sem pretender desvalorizar esta função diminuindo a qualidade da sua representação, esta jamais deve sacrificar a verdade e o rigor etnográfico sob pena de se descaraterizar enquanto rancho folclórico e prestar um mau serviço à cultura tradicional. A preocupação em agradar ao público não deve levar à invenção de novas coreografias, à alteração dos ritmos das danças e à modificação dos trajes.

Mais recentemente, a fim de despertarem o interesse do público, alguns ranchos folclóricos passaram a incluir nas suas atuações a representação de rábulas, vulgo quadros etnográficos, intercalando com a exibição das danças e cantares. Trata-se de representações teatrais que ajudam o espetador a melhor compreender a razão de ser de algumas danças tradicionais. De resto, constitui uma feliz combinação de teatro, dança e canto. Sucede, porém, que muitas das vezes tais representações pecam pela sua evidente falta de qualidade e até pela ligeireza dos temas escolhidos. Na ânsia de dar nas vistas, alguns grupos não se inibem em representar as cenas mais grotescas, dando uma péssima imagem de si mesmos. Porém, o mais grave é que tal mania tem vindo a propagar-se de uma forma tão avassaladora e imaginativa que ameaça ridicularizar toda e qualquer representação de folclore!

(*) Jornalista, Licenciado em História

Textos de Carlos Gomes - Index>>>
Outros Textos e Opiniões >>>

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster