[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub

Pub

 
  Moinhos de Maré: um Património a preservar (2)

Carlos Gomes(*)

 

(Continuação...)

Tempos houve, porém, em que existiram moinhos de maré nos estuários de quase todos os rios portugueses. É, aliás, bastante provável que ainda alguns casos recuperáveis. Contudo, apenas se conhece as “Azenhas de D. Prior”, na foz do rio Lima, que não obstante a designação também constitui um moinho de maré. De resto. A edilidade vianense decidiu recuperá-lo e constitui actualmente um pólo museológico e de animação cultural aberto ao público.

Naturalmente, nem todos poderão ser recuperados para fins didácticos. Mas, os espaços de que geralmente dispõem, quer no interior como no exterior, associado à magnífica paisagem que deles se desfruta e ainda à possibilidade de aproveitarem as marés para o próprio consumo energético, poderiam possibilitar a sua utilização para fins turísticos, permitindo dessa forma a sua reabilitação e a valorização das regiões que ainda os possuem.

No caso do rio Lima, a utilização para fins culturais das “Azenhas de D. Prior” poderiam vir ainda a ser complementadas com a recuperação das marinhas de sal outrora ali existentes e, num plano mais vasto e integrado de aproveitamento cultural e turístico do rio Lima, incluir a recuperação dos antigos cais e ancoradouros, de Viana do Castelo a Ponte de Lima, sem esquecer a adaptação a metro de superfície da linha férrea do Vale do Lima cuja construção não chegou a ser concluída.

(*) Jornalista, Licenciado em História

Tal como nos espigueiros do Alto Minho e Galiza, a cruz a encimar o moinho de Corroios abençoa o pão. Em primeiro plano, a entrada das águas para a caldeira, à esquerda, local onde se encontra a adufa.

Esta peça serve para subir ou descer os rodízios sob as arcadas do moinho.


<<< Página 1 +++ Página 3>>>
 

Textos de Carlos Gomes - Index>>>

Outros Textos e Opiniões >>>

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster