[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub
Pub  
  Existem Grupos de Folclore que "representam" o século XX quando afirmam representar o Folclore do final do século XIX

Carlos Gomes(*)

Em geral, todos os grupos folclóricos afirmam representar os usos e costumes das gentes da sua região a um tempo que remonta aos finais do século XIX. Porém, na realidade, poucos são os que realmente o fazem, sucedendo que a sua maioria inclui elementos temporalmente mais próximos de nós, nomeadamente no traje, na música, nas coreografias das danças e até os instrumentos musicais que utilizam são de origem bem mais recente. Por conseguinte, esses grupos representam já uma época situada algures em meados do século XX, na qual tais costumes há muito haviam desaparecido do quotidiano do povo para serem transformados em cartaz de turismo ou, quanto muito, em peça de museu a evocar vivências de um tempo que não volta mais.

O traje adquiriu novas formas por vezes mais estilizadas e perderam o aspecto sóbrio que originalmente o caracterizava. Passou a incluir botões e outros acessórios de plástico de invenção recente e as saias tornaram-se mais curtas e rodadas de modo a permitir observar a intimidade das moças, algo que seria impensável nos finais do século XIX. Introduziram toda a sorte de fantasias no vestuário e, quase sempre, o calçado é de fabrico actual. O chapéu braguês cedeu o lugar ao chapéu à toureiro e as mulheres da Nazaré passaram a vestir mais saias do que as que antes usavam. Tempos houve que as mulheres usavam franjinha e cabelos curtos e os homens sapatos de verniz. As músicas nem sempre são as originais mas arranjos feitos ao gosto popular ao tempo do Estado Novo. E as coreografias frequentemente são inventadas quase ao jeito do teatro de revista. A tal ponto que a mulher algarvia outrora recatada passou da dançar o corridinho de forma assaz atrevida, engalfinhada no seu par. Quanto aos instrumentos musicais, quase desapareceram a viola beiroa, a braguesa e a campaniça para dar lugar a modelos que não são tradicionais, da mesma forma que o acordeão substituiu a concertina e o harmónio. Isto para já não falar dos instrumentos improvisados como as sarroncas e os zaquelitraques, as pinhas e os seixos.

A invenção da fotografia e do registo fonográfico permitiu-nos guardar testemunhos das formas de vivência dos finais do século XIX, constituindo por esse facto uma prova documental que, associado às peças de vestuário e aos testemunhos deixados na imprensa da época e ainda aqueles que foram sendo transmitidos ao longo das gerações mais recentes, dão-nos a possibilidade de reconstituir os seus usos e costumes. Porém, as alterações que foram entretanto feitas acabaram por na maior parte dos casos serem assumidas como genuínas, apenas porque em lugar de investigarem com sentido crítico, os responsáveis dos grupos de folclore limitam-se a reproduzir aquilo que anteriormente foi feito. E assim se compreende as disputas que frequentemente ocorrem em torno da origem de uma determinada música ou cantiga.

(*) Jornalista, Licenciado em História


Página seguinte>>>
 

Textos de Carlos Gomes - Index>>>

Outros Textos e Opiniões >>>

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster