[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub


Casa de Ourém foi dissolvida
 

 

Carlos Gomes(*)

A Casa de Ourém, em Lisboa, encontra-se em fase de dissolução. O remanescente está a ser inventariado a fim de se incorporar no património da Câmara Municipal de Ourém. O seu espólio encontra-se destinado à Biblioteca Municipal, ao Arquivo Histórico e ao Museu de Ourém, sendo algumas peças encaminhadas para instituições de beneficência e outras associações oureenses.

Nas últimas décadas, vinha a Casa de Ourém debatendo com uma dificuldade crescente de mobilização dos seus associados e da comunidade oureense radicada na região de Lisboa. A contribuir para essa situação, contribuiu naturalmente a distância cada vez mais encurtada em relação a Ourém, graças às novas vias de comunicação, incluindo o transporte ferroviário. Por outro lado, o grande número de pequenas e médias empresas que têm sido criadas naquele concelho têm contribuído para a fixação das suas gentes, reduzindo notoriamente a necessidade de migração para Lisboa. Aqueles que partem, continuam a manter a região de Paris, em França, como o seu principal destino.

Não é o primeiro caso de dissolução de uma associação regionalista. Recordamo-nos ainda do encerramento da Casa do Concelho de Ovar, em meados dos anos sessenta, apesar de situada numa zona de Lisboa onde ainda existe forte implantação das gentes ovarinas ou seja, próximo do típico bairro da Madragoa. Ou ainda, nos anos oitenta, a Casa da Comarca de Oliveira de Azeméis, instalada no bairro de Campo de Ourique. Desde então, várias ficaram pelo caminho ou simplesmente não vingaram à nascença. E, entre as que permanecem, algumas apenas se limitam a existir, não realizando qualquer actividade visível.

Não raro, confunde-se os objectivos com a associação em si ou seja, a finalidade com o instrumento criado para atingir esse desiderato. E, pese embora terem deixado de se manter as causas objectivas que presidiram à sua constituição, mormente a existência de uma comunidade que constitui a sua base social de apoio, insiste-se por vezes em manter legalmente uma entidade que não pode mais cumprir a missão para que foi criada, acabando por perverter a sua orientação e entregar os seus destinos a pessoas estranhas à sua região. Existem casos em que, começando por verificar que não conseguem assegurar a sua continuidade nas mãos de naturais, descendentes e outras pessoas ligadas à respectiva região, tratam de alterar as normas estatutárias para permitir que outros o façam por eles, eliminando as diferenças que são características nas casas regionais. Em tais situações, não promovendo embora a sua dissolução, essas associações já deixaram na prática de existir em função dos fins para que foram criadas.

Apesar de a dissolução representar uma perda para o associativismo, o exemplo da Casa de Ourém merece ser valorizado porquanto dignificou o concelho de Ourém enquanto existiu e jamais permitiu que a sua designação viesse a servir outros propósitos. E, não existindo oureenses em Lisboa em número expressivo que queiram participar na sua actividade, a sua missão foi dada por cumprida e o prolongamento da sua da sua existência deixou de fazer o menor sentido.

A Casa de Ourém foi fundada em 1953 e começou por funcionar na rua das Cruzes, à Sé. As suas actuais instalações situavam-se na rua da Palma, junto ao chafariz do Desterro. A ideia da sua criação surgiu num almoço de oureenses que, em 17 de Fevereiro de 1935, juntou pela primeira vez na capital os naturais daquele concelho. Ainda no mesmo ano, organizaram uma excursão a Vila Nova de Ourém, conforme então se designava a actual cidade de Ourém. Decorridos mais de setenta anos, a organização de uma excursão a Ourém não se justificaria. Isto apesar de serem constantes as excursões que se realizam a Fátima, freguesia do concelho de Ourém mundialmente conhecida. A distância que a separa de Lisboa é actualmente vencida em duas horas por estrada e em apenas uma hora de comboio, até ao apeadeiro de Caxarias.

Pese embora a dissolução tenha sido a solução escolhida para uma situação que não deixava alternativa credível, a decisão dos oureenses deve constituir um exemplo porquanto este caminho é preferível a deixar que o nome da sua terra venha a servir outros propósitos que não presidiram à sua constituição, entregando em mãos alheias o estandarte com as armas que constam do brasão do seu concelho. Fica-nos a memória grata das poucas oportunidades de convívio que usufruímos em virtude do envolvimento que tivemos em projectos semelhantes.

(*) Jornalista, Licenciado em História


 

Textos de Carlos Gomes - Index>>>

Outros Textos e Opiniões >>>

Pub

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster