[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub


CABRAÇÃO

 

Carlos Gomes(*)

A Freguesia de Santa Maria da Cabração é uma pequena aldeia minhota situada nas fraldas da Serra d’Arga cuja origem se perde nos tempos. Pertence administrativamente ao concelho de Ponte de Lima, distrito de Viana do Castelo e limita a norte com o concelho de Paredes de Coura.

CANCIONEIRO LIMIANO
(Versos recolhidos em Cabração - Ponte de Lima - Alto Minho, os quais eram cantados há pelo menos oitenta anos. São pela primeira vez divulgados.)

Cabração - Ponte de Lima
Capela de Nossa Senhora do Azevedo
(igreja paroquial)

A Igreja da Cabração
É feita de pedra morena,
Quando o meu amor lá entra
Não há pedra que não trema,
Não há pedra que não trema,
Ó lai, ó la ri ló le la.

Não há pedra que não trema,
Não há pedra que não bula,
Meu amor é da Cabração,
Do Lugar da Escusa,
Do Lugar da Escusa,
Ó lai, ó la ri ló le la.

Abaixa-te ó serra d'Arga
Qu' eu quero quero ver S. Lourenço;
Quero ver o meu amor,
Quero acenar-lhe c'o lenço;
Quero acenar-lhe c'o lenço;
Ó lai, ó la ri ló le la.

Abaixa-te ó serra d'Arga
Qu' eu quero quero ver o Cerquido;
Quero ver o meu amor,
S'ele s'tá morto ou vivo;
S'ele s'tá morto ou vivo
Ó lai, ó la ri ló le la

Ó meu amor de tão longe,
Quem te mandou aqui vir;
Se t'eu agora matasse,
Quem t'havia d'acudir;
Quem t'havia d'acudir
Ó lai, ó la ri ló le la

Debaixo da oliveira,
É tão bom namorar;
Entr'a folha miudinha,
Deixa passar o luar,
Deixa passar o luar
Ó lai, ó la ri ló le la
(*) Jornalista, Licenciado em História


 

Textos de Carlos Gomes - Index>>>

Outros Textos e Opiniões >>>

Pub

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster