[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub
 
»» O SABER NÃO OCUPA LUGAR >> Textos, Opiniões e Comentários Pub
Pub  
  A boina basca no Folclore Português

Carlos Gomes(*)

Ansiosos por se destacarem pela diferença, sem critérios nem estudo que o fundamente, alguns grupos folclóricos têm vindo a incluir a típica boina basca na indumentária de alguns dos seus componentes, em regra associando-a a uma forma de vestir que foi utilizada já em pleno século XX. Com efeito, aplica-se a este caos o termo folclórico usualmente empregue como adjectivo que, de uma forma algo pejorativa, pretende designar algo de bizarro.

Perde-se nos tempos a origem da boina basca, designada por txapela em euskera. O registo mais antigo que se conhece data de 1496 e constitui uma gravura da autoria de um viajante alemão que por essa altura contactou aquele povo. Também no Arquivo da Guipuzkoa se guardam baixos-relevos em madeira policromada que remontam a 1600 e documentam o uso da característica boina.

Disse o antropólogo basco Telesforo de Aranzadi que, “a graça da boina está na docilidade de acomodação, sempre que se coloca sobre a cabeça de forma apropriada. A graça e o movimento se exprimem como na estatuária grega, pela interrupção da simetria”. Com efeito, não se concebe o basco sem a sua boina característica.

A boina basca deve a sua difusão sobretudo ao período da Primeira Guerra Mundial, altura que a mesma passou a ser adoptada por forças militares de muitos países e, oficiais de todas as armas passaram a exibi-la, num misto de amuleto e de homenagem ao espírito guerreiro e combativo de um povo que, corria o ano de 778, entrincheirado nas gargantas dos Pirinéus junto a Roncesvalles, ousou infligir uma pesada derrota aos exércitos de Carlos Magno quando este se atreveu a invadir a Península Ibérica. Acto heróico que ficou celebrizado na Canção de Roldão que veio a tornar-se numa das mais conhecidas canções de gesta. Consoante os países, a txapela ou boina basca passou também a ser conhecida por “beret basque”, “barkische mütze” ou “gorra de vasco”, aludindo invariavelmente à sua origem.

A partir de então e sobretudo após a guerra civil de Espanha, também entre nós se tornou popular, passando a ser ostentada pela gente simples do povo, sobretudo em regiões mais a norte, constituindo um acessório bastante preferido nomeadamente dos galegos e dos minhotos que em Lisboa eram carvoeiros e taberneiros, distinguindo-se claramente no seu modo de vestir. Sob diferentes cores menos convencionais, ao jeito burguês da época, a boina veio posteriormente a ser adoptada pelo público feminino. Porém, a txapela basca jamais fez parte do traje tradicional das gentes minhotas ou representou algum tipo social à época do século XIX pelo que, a introdução desse elemento constitui mais uma bizarria que apenas resultou da imaginação fértil de alguns responsáveis por determinados grupos folclóricos.

Uma vez mais se comprova que a representação que é feita por alguns “folclóricos” não é sustentada por uma trabalho de pesquisa, recolha e análise prévia mas apenas movida pelo impulso e a vontade de surpreender e impressionar na ânsia de cativar o público a qualquer custo, qual feirante que vende um lote de cobertores ao irrisório preço de um apenas. Mas, o folclore tem de passar a ser encarado de uma forma algo séria que exige estudo apurado e rigor científico sob pena de descredibilizar-se!

(*) Jornalista, Licenciado em História

Bibliografia:
- MENDIZABAL, I. Lopez. Breve História del País Vasco. Editorial Vasca EKIN. Buenos Aires. 1945

 

Textos de Carlos Gomes - Index>>>

Outros Textos e Opiniões >>>

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster