[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Texto sobre ...  Religiosidade Popular Pub
Pub    
  Festas Religiosas Populares (2)

No Alentejo, tal como acontece um pouco por todo o País, repetem-se nestes meses de Verão as Festas Religiosas Populares.

Desde cidades, a vilas e aldeias, o povo mobiliza-se na promoção de festividades em honra dos patronos das suas terras e comunidades, que num misto de profano e de sagrado expressam a sua cultura e a sua religiosidade.

A organização das festas inclui normalmente as comunidades paroquiais, constituídas pelos seus párocos, consagrados e leigos, em colaboração com a sociedade civil de que a Igreja

faz também parte, Câmaras, Juntas de Freguesia, associações, colectividades, grupos ou entidades particulares, voltam a animar as localidades com as Festas de Verão que movimentam multidões.

Segundo o Pe. Augusto Silva, sociólogo e estudioso deste tipo de fenómenos, "cada actividade tem as suas motivações". Portanto, a adesão a uma religião e à sua prática também têm "motivações que podem ser: bio-cosmológicas; sócio-culturais; sócio-religiosas; de salvação eterna; de transformação espiritual."

A motivação sócio -cultural é característica da motivação popular e "pretende preservar os valores da sociedade e da cultura. Nestas circunstâncias, a prática impõe-se como uma herança tradicional, como lugar de encontro e de convívio. Daí que se dê especial importância à festa local, às peregrinações, às procissões e às manifestações de massa", explica o Pe. Augusto Silva.

Ao falar-se de religião devem ter-se em conta quatro elementos: ideológicos; culto; organizações; comportamentos morais.

"A religião pode definir-se de uma forma geral como "sistema de crenças e práticas relativamente a entidades meta empíricas aos quais os homens prestam culto, organizando-se e que isso tem implicações no seu projecto de vida", aponta o Pe. Augusto Silva.

A religiosa popular, segundo o Pe. Augusto Silva, "trata-se de expressões simples, de fácil relacionamento entre os símbolos e os conteúdos subjacentes, que respondem a qualquer coisa de profundo e unitário no homem." Na religiosa popular, as crenças tendem a ter "uma visão natural de Deus, uma incompreensão do sagrado, e uma tendência a dar muita importância à figura e função dos Santos", e o culto "privilegia o colectivo, o exterior e o espectacular", explica.

 

Página seguinte>>>

Pedro Miguel Conceição
Fonte

Voltar para Religiosidade Popular


   

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster