[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Provérbios >> Pub

Às profissões
 


»
Rodas e advogados, só andam se bem untados.
» Alfaiate, mal vestido; sapateiro, mal calçado.
» Almocreve cavaleiro não ganha dinheiro.
» Da muita neve se queixa o almocreve.
» Ama gorda, pouco leite.
» Barqueiro a barqueiro, não leva dinheiro.
» Fome de caçador, sede de pescador.
» Tapa, massa, enquanto o caldeireiro passa.
» Caldeireiro na terra: chuva na serra.
» Cesteiro que faz um cesto faz um cento se tiver verga e tempo.
» No tempo da tomateira não há fraca cozinheira.
» Mais vale bom estômago do que boa cozinheira.
» Quem faz a cozinheira ligeira é a boa fogueira.
» A criado novo, pão e ovo; a criado velho, pau e demo.
» Ao fim do ano, o criado parece-se com o amo.
» Ao confessor e ao advogado não o tragas enganado.
» Ao confessor e ao advogado confessa o teu pecado.
» Dos enganos vivem os escrivães.
» Em má demanda, escrivão da minha banda.
» Estalajadeira à porta: poucos fregueses.
» Em casa de ferreiro, espeto de salgueiro.
» Nunca a boa fiandeira ficou sem camisa.
» Ninguém é [bom] juiz em causa própria.
» Quando o doente diz ai, o médico diz dai.
» Médico velho, cirurgião novo, boticário coxo.
» De médico e de louco todos temos um pouco.
» Erros de médico a terra os cobre.
» O melhor médico é o que se procura e não se encontra.
» Oleiro que faz a panela faz a tampa.
» Fraco é o padeiro que diz mal do seu pão.
» Pedreiro de Agarez põe uma pedra, caem três.
» Peixeira que não mente a bolsa lho sente.
» Pescador de cana come mais do que ganha.
» O poeta nasce, o advogado faz-se
» Quem se ensinou, sapateiro, a tocar rabecão?

Conheça algumas profissões antigas>>>
 


 
Pub  

 

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster