[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Provérbios >> Pub

Adágios sobre a pesca
 

» No arrumar da barca se vê o pescador.
» Quem quer pescar há-de-se molhar.
» Quem quer peixe molha o rabo
» Não se pescam trutas a bragas enxutas.
» Não basta ir ao rio com vontade de pescar, é preciso levar rede.
» De rio pequeno não esperes grande peixe.
» Nem tudo o que vem à rede é peixe.
» De grande rio, grande peixe.
» Em rio sem peixe não deites a rede.
» Com vento suão não pesques peixe nem caces com cão.
» Não deixes escapar o camarão pela rede.
» A mulher e o peixe no mar são difíceis de agarrar.
» No grande mar se cria o grande peixe.
» A isca é que engana e não o pescador com a cana.
» Nem de cada malha peixe, nem de cada mata feixe.
» A cabeça de besugo come-a o sisudo, e a de boga dá-a à tua sogra.
» São os peixes que não vêem a água.
» Boa é a truta, bom é o sável, bom é o salmão quando é sazão.
» Na noite envolto, pesca o pescador.
» Ou magro ou gordo aí deixo o peixe todo.
» Fome de rio, sede de mato.
» Peixe caído, peixe vendido.
» Peixe velho é entendedor de anzóis.
» Peixeiro que não mente na bolsa o sente.
» A água é para os peixes e o minar para as toupeiras.
» Os peixes são para nadar e as toupeiras para minar.
» Estar sempre com a caninha na água.
» O peixe deve nadar três vezes: em água, em molho e em vinho.
» Pescador apressado perde o peixe.
» Quão grande é o peixe, tão grande é o sabor.
» Peixe de Maio, a quem vo-lo pedir, dai-o.
» Pescador de cana mais como que ganha, mas, quando a dita corre, mais ganha que come.
» Isco de cana mais come que ganha, mas, quando a dita corre, mais ganha que come.
» A Deus e à ventura, botou a nadar.
» Filho de peixe sabe nadar.
» Ser como o robalo, por causa da boca perdeu o rabo.
» Pescar em águas turvas.
 

Paulo Caratão Soromenho in "ETNOGRAFIA PORTUGUESA" - Livro III - José Leite de Vasconcelos

Pub

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster