[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Literatura Popular e Tradicional >> A barba na literatura popular Pub

Pub

A barba na literatura popular  
 

Oliveira pequenina,
Que azeite pode render?
O homem de pouca barba,
Que respeito pode ter?
                                       
(Faro)

Variante, publicada na Revista de Guimarães, XXXIII, P.34:

Azeitona miudinha,
Que azeite pode render?
Homem pequeno, sem barba
Que respeito pode ter?
                                     
(Minho)

Estes rapazes d’agora
Fazem a barba à fadista;
Com quatro, cinco navalhas
Compradas à sua vista
                                     
 (Vila Franca do Campo)

Espelho que não tem aço
Virado para a parede.
O homem que não tem barba
Ninguém faz causa dele.
                                       
(Faial)

Causa = causo = caso

Variante de Vila Franca do Campo:

Espelho que não tam aice (= aço)
Atira-s’a ũa parede:
Rapaz que não tam bigode
Poucas conversas com ele!



Estes rapazes d’agora
Dizem que têm e não têm:
Prometem dez reis às almas
A ver se a barba lhe vem.
                                     
(Proença a Nova)

Variante de Coimbra:

Estes rapazes d’agora
Não valem nem um vintém:
Prometem dez réis às almas
Para ver s’a barba lhe vem.

Ó piaçá, como estás tu, ó piaçá,
Lava o bigode que eu venho já.
                                     
(Remate de uma cantiga popular do Porto)

Estava a D. Branca
Muito bem repousada:
Veio o João Barbudo
Deu-lhe uma bofetada.
                                    
(Ponta Delgada)
(Adivinha, simbolizando a cal da parede e o pincel do criador)

Nota vocabular e fraseológica:

Ó barba de ataful ! : injúria, em Ponta Delgada; ataful é o mesmo que retranca.
Barbas de alho: alcunha na ilha de S. Miguel.
Barbozana: homem de barbas grandes, em Ponta Delgada.
Fazer a barbinha a alguém: levar alguém de vencida (Ponta Delgada).

 
Informações e retiradas de "ETNOGRAFIA PORTUGUESA" - Livro III - José Leite de Vasconcelos
 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster