[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Lendas >> Lenda do Alfageme de Santarém Pub
Pub    
 

Lenda do Alfageme de Santarém

Fernão Lopes, na sua Crónica do Condestável, deixou para a posteridade esta lenda do alfageme Fernão Vaz.

Ele era o alfageme mais reputado da região de Santarém, que, à custa de muito trabalho, tinha amealhado uma pequena fortuna, a qual, diziam as más línguas, lhe tinha permitido casar com a bela Alda Gonçalves, que em tempos tinha sido uma apaixonada de D. Nuno Álvares Pereira, o Condestável.

Ora aconteceu que um dia D. Nuno Álvares Pereira apareceu à porta de Fernão Vaz e pediu-lhe para ele corrigir a espada.

Estava o alfageme a esboçar uma desculpa porque já tinha chegado ao fim do seu dia de trabalho, quando viu quem tinha na sua presença. Apresentou-se e disse-lhe que tinha casado com Alda Gonçalves, o que provocou uma certa emoção no Condestável que lhe deixou a espada para ser reparada.

Quando o alfageme chegou a casa, contou o sucedido à sua mulher que chegou a temer pela vida do seu marido, mas logo sossegou quando este lhe disse que D. Nuno tinha vindo por bem.

No dia seguinte, o alfageme entregou a espada ao Condestável mas não quis cobrar-lhe a reparação e disse-lhe que só quando D. Nuno se tornasse Conde de Ourém é que lhe pagaria pelo serviço.

Os tempos seguintes revelaram-se difíceis para o alfageme. Invejas e intrigas fizeram com que fosse preso e condenado à morte.

Inconsolável, Alda decidiu procurar D. Nuno Álvares Pereira, na altura D. Nuno já era Conde de Ourém, e pediu-lhe ajuda, embora temesse alguma despeita provocada pelo passado.

Com grande nobreza de alma, o Condestável conseguiu o perdão real para Fernão Vaz, cumprindo-se assim a profecia do alfageme de Santarém.

Fonte

  Gosta da página? Partilhe!
Também poderá gostar de ler sobre...
» A Truta de Celorico
(Celorico da Beira)
» Lenda dos amores de D. Lopo
Portalegre
» Lendas do concelho de Ponte de Lima
» A Truta de Celorico
(Celorico da Beira
» O Calhau do Encanto
(Vila Real)

   

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster