[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Festas e Romarias Pub
Pub    
 

Festa da Senhora da Piedade
Caniçal - Madeira

A melhor festa da Senhora da Piedade no espaço madeirense é a da vila do Caniçal, no extremo oriental da ilha, passado o «furado» (o túnel) que a liga ao vale de Machico. A ermida desta Senhora fica no promontório sobre a Prainha única lingueta de areia amarela que há na Madeira, por «inveja» do fino areal que possui a vizinha do Porto Santo.

O cabeço onde está a capelinha é careca, batido pela ventania do «cabo do mundo» que é esta região que fronteiriça as costas Norte e Sul. A ele sobem os mordomos, retiram a Madona da sua solidão, descem ao cais, com as opas drapejando ao cento como espantalhos a afugentar demónios ou o «mau olhado». Tornam a embarcar, agora com a estatueta, em procissão marítima engalanada: à frente os possantes atuneiros, depois os botecos maneirinhos.

Chegando ao cais da vila, salta a malta com o andor e põe-se em procissão até à igreja matriz onde exposta fica a padroeira durante esse dia e o seguinte, quando nova romagem aquática remete ao isolamento a Senhora «até ao ano que vem».

O arraial fica adesivado a este ritual, contém a alegria das comidas e bebidas, das rifas e das compras nas barracas da paróquia ou dos comerciantes ambulantes.

Vale a pena visitar o Museu da Baleia, picolino mas honesto, ou ir à banhaça na Prainha ou no «cais da Junta», numa enseada de água tão límpida que deixa contar as pedras do fundo.

Há pouco mais que fazer: ou render-se ao culto da mãe natureza através do seu elemento líquido, ou perfilar o respeito religioso, rezando no templo de ar abafado pela frequência demasiada em tão limitado espaço, e onde os cheiros a cera queimada, a «humanidade» e a incenso contribuem para uma mística que se adivinha semelhante à dos primórdios do cristianismo, quando se reuniam os fiéis nas catacumbas romanas.

Hábito novo é impor um palco no meio de tudo isto, onde actuam músicos «pimbas» ilhéus e outras atracções. Uma coisa é certa: a inopinada beleza do desfile marítimo torna a visita indispensável.

Fonte: In GUIA Expresso “O melhor de Portugal” – 12 – Festas, Feiras, Romarias, Rituais

Voltar para Menu das Festas e Romarias>>>>>

Também poderá gostar de ler...
» Romaria de Nossa Senhora dos Remédios
Lamego
» Romaria de S. João d'Arga
Caminha - Viana do Castelo
» Festa das Fogaceiras
Sta Maria da Feira
» Festa das Cruzes
Monsanto
» Feira de S. Mateus / Festas em honra do Senhor Jesus da Piedade
Elvas - « A maior Romaria do Alentejo »
  Gosta da página? Partilhe!

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster