[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Ciclo litúrgico anual > Todos os Santos (1 de Novembro) Pub
Pub    
  Todos os Santos (1 de Novembro)

“(…) A Igreja Católica festejava no dia 1 de Novembro todos aqueles que, sendo judeus ou não, haviam sido, na imagem do Apocalipse, assinalados na fronte pelo anjo do Senhor. Esta festa coincidia com os sacrifícios romanos aos manes e almas dos mortos (6 de Outubro), a morte de Ísis (17-20 de Novembro) e os sufrágios pelos gauleses e gregos enterrados vivos em Roma, no mercado dos touros (27 de Novembro). Essa tradição romana ainda perdurava no Alto Douro no primeiro terço do século XX. Efectivamente, era nesse dia que as pessoas, sobretudo as crianças e jovens, se juntavam e iam de casa em casa pedir castanhas e água-pé ou vinho para fazer um grande magusto colectivo.

Nos concelhos de Murça e de Alijó podia apanhar-se livremente castanhas nos soutos, sem que ninguém dissesse nada. No fim do magusto, cantava-se e dançava-se. Era a festa da partilha dos frutos da terra e, com ela, «dia de alegria, pândega e estroinice».

Da parte de tarde, as mulheres iam ao cemitério preparar os túmulos para a visita que se realizaria no dia seguinte, dia dos Finados.(…)”

In Alto Douro – Terra de vinho e de gente, A.L. Pinto da Costa, Edições Cosmos, 1997


Voltar ao início>>>
 

  Gosta da página? Partilhe!

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster